Esta turma costuma refletir bastante!

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Sonhos de gente madura

 
Maduro não é quem viveu o suficiente; é quem tem vivências, que podem não estar necessariamente ligadas à idade. Tudo na vida é encanto quando entramos na adolescência. Todos os sonhos são possíveis, tudo é festa e o paraíso parece estar ao alcance das nossas mãos. Achamos que o primeiro amor vai durar para sempre, que vamos evoluir no trabalho, que as pessoas com as quais convivemos serão sempre sinceras e gentis. Um dia, nos vemos diante dos primeiros obstáculos: perdemos nosso amor, anoitece no paraíso, descobrimos que precisamos competir e trabalhar duro para chegar a algum lugar e que nem todas as pessoas deseja nosso bem. Nossos sonhos se quebram e adquirimos experiências, nos tornamos adultos, amadurecemos. E dói. Dói em nós, no nosso ser, dói a vida. Algumas pessoas desistem, se cansam com os desenganos e se deixam levar. Nunca crescem, nunca constroem nada. Desacreditam nos sonhos e no poder mágico deles. Envelhecem prematuramente, tornam-se ranzinzas e mal-humoradas. O mundo está cheio de pessoas assim. Portanto, há pessoas maduras que ainda sonham. Só que é um sonho diferente. Os jovens sonham em construir, começar, conquistar. Elas sonham em reconstruir, recomeçar, reconquistar. Pessoas maduras sonham depois de terem vivido, depois de terem quebrado a cara, de terem tido decepções, caído em armadilhas e depois de terem enfrentado a dura realidade de que nem todos os sonhos se realizam. Mas elas sabem que ainda assim vale a pena sonhar. E elas sonham... conscientemente! Amam de novo, de novo e de novo!... Caem e se levantam e recomeçam cada vez que caem. Elas acreditam sempre que na próxima vez vai ser diferente. Prendem os sonhos nas mãos e não largam! Geralmente essas pessoas vivem mais tempo e o tempo que vivem é bem melhor aproveitado. São idealistas e benditas! As pessoas maduras que ainda sonham são o sonho da vida, são a projeção dos melhores desejos de Deus aqui na terra. 


 Letícia Thompson
 

sábado, 20 de julho de 2013

Mundo cão




 Na década de 60 fez sucesso o documentário Mondo Cane que, embalado pela excelente trilha sonora... (More), apresentava aberrações em tom de denuncismo para chocar a plateia. Animais sacrificados a porretadas, devotos se flagelando e perfurando o corpo, etc. O público sentia-se bem, por ser civilizado e superior a aqueles selvagens, ao assistir ao bem elaborado espetáculo de violência e barbarismo. A fórmula deu certo. Mas ao preparar a continuação do documentário o diretor, Gualtiero Jacopetti, teria orientado os membros de uma tribo na África, para que mudassem o local de uma execução, para outro onde haveria melhor luz para a filmagem. 

A notícia ganhou mundo e a continuação da série fracassou. Era um caso típico da mídia sobrepondo-se à ética. Hoje é difícil falar em ética, mas facílimo observar a mídia. Um policial atropela as normas legais, desrespeita as garantias da Constituição, combina previamente com a imprensa e expõe seus suspeitos nacionalmente. Não se limita a investigar, ele julga e executa, pois o patíbulo eletrônico é mais destruidor que os suplícios dos tempos do Santo Ofício. O pseudojusticeiro ganha fama instantânea e o processo torna-se mero apêndice sem relevância. 

Para que isso prospere, assim como no filme italiano, é preciso que o público goste. E ele gosta. Esquecendo que o linchamento sem defesa é o oposto da Justiça. O Legislativo tem um festival de mazelas exposto diariamente. A maior iniciativa para a destruição moral do Parlamento partiu do Executivo, ao criar a corrupção sistêmica do malfadado Mensalão. Já surge a ideia de acabar com o Legislativo. Os inimigos da democracia se babam de deleite, e, aproveitando as lições de Gramsci, devidamente tropicalizadas e com recursos da mídia eletrônica, alimentam este clima, pois lhes interessa destruir as instituições. O que é para ser sigiloso acaba “vazando” e nada acontece com os autores desses estratégicos “vazamentos”, o arbítrio se banaliza. A obsessão pela notoriedade alimenta o apetite das luzes da mídia, que se compraz com os que lhe devotam subserviência. Quem trabalha corretamente de forma discreta, como convém à atividade judiciária, não se torna notícia e estes, felizmente, são a maioria. As escutas clandestinas, as operações midiáticas, a corrupção onipresente, formam um triste conjunto do estado policial, que ameaça a todos. É bom lembrar que o panis et circensis era o recurso predileto dos tiranos, os que recebiam o pão fácil do imperador e divertiam-se no circo, esqueciam que o preço deste espetáculo era a sua liberdade. O estrabismo da mídia que só enxerga o torto, sem valorizar o correto, também pode estar sendo manipulado e isso conduz ao descrédito geral. Que os corruptos sejam punidos, sem exceção, que acabem os abusos e privilégios, mas sempre dentro da lei; lembrando que a impunidade é o câncer que devora nossa sociedade. A relação promíscua de repórteres com protagonistas de ações espetaculares e arbitrárias, não pode ser minimizada. Não é possível tolerar que nossas garantias constitucionais sejam queimadas na fogueira de vaidades. Nada mais importante que a democracia, a justiça e a liberdade. Com estes valores não se pode transigir. Fora deles, apenas o mundo cão. Será isso que queremos?

 Léo Lolovitch

Daqui:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores de reflexões:

Adolescência (1) Alberto Mantovani Abeche (1) Alexandre Garcia (1) Américo Canhoto (1) Amizade (4) Amor (1) Andrew Matthews (3) Aneli Belluzzo Simões (1) Ano Novo (2) Antônio Mesquita Galvão (1) Aparência (1) Arnaldo Jabor (6) Arthur da Távola (2) Artigos da revista Cláudia (1) Ary Fontoura (1) Autoria desconhecida (28) Bem-estar (4) Brasil (1) Brena Braz (1) Brian Dyson (1) Carla Rojas Braga (1) Carlos Drummond de Andrade (5) Carlos Reinaldo Mendes Ribeiro (1) Carnaval (1) Cecília Meireles (1) Cedidos por amigos (1) Charges (1) Charles Chaplin (5) Chico Buarque (2) Cinema (1) Civilidade (1) Clarice Lispector (5) Corrupção (1) Crônicas (2) Crueldade Humana(?) (1) Dalai Lama (1) Dalmir Sant'Anna (1) Daniel Bruno de Castro Reis (1) Danuza Leão (3) Datas especiais (14) David Coimbra (2) Dia da Criança (1) Dia das Mães (1) Dia do Amigo (1) Dia do Professor (1) Dia dos Pais (2) Dia Internacional da Mulher (1) Diovana Rodrigues (1) Dráuzio Varella (1) E-book do Prof. Marins (1) E-mails (1) Educação (1) Eleições (1) Evandro Amoretti (1) Fabiana Kaodoinski (1) Fabrício Carpinejar (7) Fátima Irene Pinto (1) Fernanda Mello (1) Fernando Pessoa (2) Flávio Gikovate (2) Flávio Tavares (1) Gabi Borin (1) Gilberto Stürmer (1) Halloween (1) Herbert Vianna (1) Herman Melville (1) Impunidade (1) Internet (1) Ivete Sangalo (1) Jornal Zero Hora (1) José Geraldo Martinez (1) José Ronaldo Piza (1) Kahlil Gibran (1) Kledir Ramil (1) L. F. Veríssimo (7) Laerte Russini (1) Léo Lolovitch (2) Letícia Thompson (24) Letra de música (5) Lilian Poesias (1) Lya Luft (4) Magistério (1) Maktub (4) Marcial Salaverry (1) Maria Helena Matarazzo (2) Mário Quintana (2) Martha Medeiros (32) Masaharu Taniguchi (1) Mau-humor (1) Menalton Braff (1) Mensagens (7) Meu aniversário (1) Meus blogs (4) Minha autoria (67) Miriam de Sales Oliveira (1) Motivação (2) Mulher (8) Natal (2) Oliveira Fidelis Filho (1) Oscar Wilde (1) Osho (3) Oswaldo Montenegro (1) Otimismo (1) Páscoa (3) Paulo Coelho (2) Paulo Roberto Gaefke (5) Paulo Sant'Ana (1) Pe. Fábio de Melo (1) Poemas (1) Política (1) Programa Fantástico (1) Promoções (1) Protesto (1) Recebidos por e-mail (10) Redação Momento Espírita (4) Reflexões (21) Reinaldo C. Moscatto (1) RH Andrade Gutierrez (1) Richard Bach (1) Rivalcir Liberato (5) Roberto Shinyashiki (4) Rosana Braga (2) Rosane de Oliveira (1) Rose Mori (1) Saúde (4) Selos (4) Sexo (3) Silvana Duboc (1) Tais Vinha (1) Textos Criativos (1) Textos Psicografados (1) Titãs (1) Tragédias (1) Vida real (5) Vídeo + texto de minha autoria (11) Vídeos (1) Vídeos feitos por mim (1) Vinícius de Moraes (1) Violência (1) Vitor Hugo (1) William Shakespeare (1) YouTube Vídeos (4)

Clique na imagem e...

Conheça meu blog divulgador!