Esta turma costuma refletir bastante!

terça-feira, 26 de agosto de 2014

O próximo




“O próximo”.
Passaram-se alguns segundos e ouviu-se a mesma voz:
“O próximo, ficha 54”.
Então a senhora de cabelos brancos levantou-se do banco e dirigiu-se ao balcão, levando sua ficha na mão, para ser atendida.
A funcionária pedia os documentos, que lhe iam sendo entregues, para marcar o exame. Até que surgiu o impasse, estava faltando a carteira do serviço médico, indispensável para confirmar o agendamento.
A velhinha começou a procurar num saco plástico, onde trazia seus papéis. Seus dedos magros buscavam a carteira dentro daquele saco, que algum dia já fora translúcido, mas agora, de tanto manuseio, era opaco e frágil.
A busca inexitosa era perceptível na expressão de desalento, que tomava conta de seu rosto enrugado. A frase de que, sem a carteirinha não era possível confirmar o exame, equivalia a uma frustração absoluta e indicava que teria que voltar outro dia e começar tudo outra vez. O ar de súplica, que emergia de seus olhos miúdos, pedia socorro à funcionária do balcão.
“A senhora não tem sua carteira de identidade?”
A mão trêmula alcançou o documento para a funcionária, que disse:
“Aguarde um pouco, que vou até o meu colega, que tem o computador que acessa o sistema, e, com o número da RG, pode ser que ele consiga obter os dados da sua carteira do serviço médico”.
Ela não entendeu bem o que a funcionária dizia, mas percebia que era algo para ajudá-la e sorriu agradecendo.
Passaram-se alguns minutos e a atendente voltou, também sorrindo, o que significava sucesso na sua missão. Disse que tudo dera certo e conseguira os dados necessários, imprimiu a requisição, deu as instruções de como deveria proceder e entregou para a velhinha, que apenas conseguiu dizer:
“Muito obrigado minha filha”.
Passou-se uma semana.
A funcionária chamou a próxima ficha, quando viu a velhinha aproximar-se do balcão. Ela tirara uma ficha para ser atendida e trazia na mão um vasinho de plástico com uma violeta plantada, enrolada em papel colorido e amarrada com uma fitinha rosa de material sintético.
“Não preciso ser atendida, já fiz os exames” e continuou:
“Vim só para agradecer sua ajuda e lhe trazer essa florzinha”, estendendo o braço e colocando sobre o balcão.
“Ora, não precisava, muito obrigada” respondeu emocionada a funcionária.
A velhinha sorriu, seus olhos pequenos brilhavam, e disse apenas: “elas gostam de luz”, apontando para o vasinho e retirando-se para não atrapalhar o serviço.
Passaram-se meses, o vasinho que era preto começava a ficar acinzentado, acomodado no exíguo espaço ao lado do balcão de fórmica, iluminado pela luz artificial da repartição pública.
Porém, de dentro dele a vida teimava em nascer, e emergiam duas pequenas violetas roxas, como um aceno, um instante de natureza na impessoalidade fria daquele local.
A velhinha não apareceu mais.
As flores seguem discretas no seu cantinho, como testemunhas mudas, porém eloquentes no seu significado, de que nas pequenas coisas, nos pequenos gestos, podemos tornar a vida melhor.

Léo Lolovitch

Daqui:
NA NUVEM


Um comentário:

Élys disse...

Um pequeno gesto de gratidão, mas um gesto de grande amor. Lindo!...
Beijos, Élys.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Marcadores de reflexões:

Adolescência (1) Alberto Mantovani Abeche (1) Alexandre Garcia (1) Américo Canhoto (1) Amizade (4) Amor (1) Andrew Matthews (3) Aneli Belluzzo Simões (1) Ano Novo (2) Antônio Mesquita Galvão (1) Aparência (1) Arnaldo Jabor (6) Arthur da Távola (2) Artigos da revista Cláudia (1) Ary Fontoura (1) Autoria desconhecida (28) Bem-estar (4) Brasil (1) Brena Braz (1) Brian Dyson (1) Carla Rojas Braga (1) Carlos Drummond de Andrade (5) Carlos Reinaldo Mendes Ribeiro (1) Carnaval (1) Cecília Meireles (1) Cedidos por amigos (1) Charges (1) Charles Chaplin (5) Chico Buarque (2) Cinema (1) Civilidade (1) Clarice Lispector (5) Corrupção (1) Crônicas (2) Crueldade Humana(?) (1) Dalai Lama (1) Dalmir Sant'Anna (1) Daniel Bruno de Castro Reis (1) Danuza Leão (3) Datas especiais (14) David Coimbra (2) Dia da Criança (1) Dia das Mães (1) Dia do Amigo (1) Dia do Professor (1) Dia dos Pais (2) Dia Internacional da Mulher (1) Diovana Rodrigues (1) Dráuzio Varella (1) E-book do Prof. Marins (1) E-mails (1) Educação (1) Eleições (1) Evandro Amoretti (1) Fabiana Kaodoinski (1) Fabrício Carpinejar (7) Fátima Irene Pinto (1) Fernanda Mello (1) Fernando Pessoa (2) Flávio Gikovate (2) Flávio Tavares (1) Gabi Borin (1) Gilberto Stürmer (1) Halloween (1) Herbert Vianna (1) Herman Melville (1) Impunidade (1) Internet (1) Ivete Sangalo (1) Jornal Zero Hora (1) José Geraldo Martinez (1) José Ronaldo Piza (1) Kahlil Gibran (1) Kledir Ramil (1) L. F. Veríssimo (7) Laerte Russini (1) Léo Lolovitch (2) Letícia Thompson (24) Letra de música (5) Lilian Poesias (1) Lya Luft (4) Magistério (1) Maktub (4) Marcial Salaverry (1) Maria Helena Matarazzo (2) Mário Quintana (2) Martha Medeiros (32) Masaharu Taniguchi (1) Mau-humor (1) Menalton Braff (1) Mensagens (7) Meu aniversário (1) Meus blogs (4) Minha autoria (67) Miriam de Sales Oliveira (1) Motivação (2) Mulher (8) Natal (2) Oliveira Fidelis Filho (1) Oscar Wilde (1) Osho (3) Oswaldo Montenegro (1) Otimismo (1) Páscoa (3) Paulo Coelho (2) Paulo Roberto Gaefke (5) Paulo Sant'Ana (1) Pe. Fábio de Melo (1) Poemas (1) Política (1) Programa Fantástico (1) Promoções (1) Protesto (1) Recebidos por e-mail (10) Redação Momento Espírita (4) Reflexões (21) Reinaldo C. Moscatto (1) RH Andrade Gutierrez (1) Richard Bach (1) Rivalcir Liberato (5) Roberto Shinyashiki (4) Rosana Braga (2) Rosane de Oliveira (1) Rose Mori (1) Saúde (4) Selos (4) Sexo (3) Silvana Duboc (1) Tais Vinha (1) Textos Criativos (1) Textos Psicografados (1) Titãs (1) Tragédias (1) Vida real (5) Vídeo + texto de minha autoria (11) Vídeos (1) Vídeos feitos por mim (1) Vinícius de Moraes (1) Violência (1) Vitor Hugo (1) William Shakespeare (1) YouTube Vídeos (4)

Clique na imagem e...

Conheça meu blog divulgador!